segunda-feira, 23 de novembro de 2009

REDAÇÃO NOTA DEZ


Antes de tudo, sou brasileiro!*
por Cauê Sarmento

Raça? Raça é pastor alemão, pitbull, poodle. Não somos cachorros para termos raça. Somos todos iguais (e diferentes também). Somos humanos.

É incrível pensar que todo o preconceito que temos em relação à cor da pele de cada um exista no Brasil e nas consciências brasileiras, porque, antes de mais nada, o que define a cor da pele de um ser humano são os genes (coisas que não conseguimos ver e que muitas pessoas nem sabem que existem), e ainda, genes que boa parte dos brasileiros podem ter. Sim, um "branco" pode ter um gene "negro" e vice-versa.

Se pensarmos bem, veremos que o preconceito está presente muitas vezes inconscientemente, com expressões do tipo: "negro maloqueiro" e "branquelo riquinho". É impressionante como esse preconceito está enraizado na sociedade e nem percebemos isso, ou por acaso sua consciência pesa quando você brinca com a cor ou com as características físicas do outro?

E como resolver? Como resolveremos um mal já impregnado em nossas mentes? Lembro-me de uma música de Gabriel, o pensador: "Nenhum tipo de racismo se justifica, ninguém explica. Precisamos de uma lavagem cerebral para acabar com esse lixo que é uma herança cultural. Todo mundo é racista, mas não sabe a razão, então eu digo, meu irmão, seja do povão ou da elite, não participe, pois, como eu já disse, racismo é burrice".

* Texto produzido durante a Avaliação Interacionista por um aluno do 9º ano para a disciplina de Produção de Texto sobre o tema "Racismo no Brasil".

2 comentários:

  1. O texto está muito bem escrito, porém creio que a conclusão ainda precisava de um tratamento mais cuidadoso com relação à apresentação de propostas para a resolução ou, ao menos, para a diminuição dessa problemática do preconceito racial. O autor se apóia no discurso de Gabriel, o pensador, para finalizar seu texto, o que foi uma estratégia argumentativa criativa e inteligente. No entanto, a solução que se pode depreender da canção (a lavagem cerebral) é válida porém insuficiente para solucionar o problema do racismo no Brasil. É preciso apontar ações mais concretas como políticas públicas que invistam massivamente no combate a qualquer tipo de discriminação. Tais políticas devem atuar tanto no âmbito educacional quanto no jurídico, fazendo-se cumprir as severas penas previstas pela legislação no que diz respeito ao racismo.

    ResponderExcluir
  2. É importante lembrar que hoje é o Dia Nacional da Consciência Negra (20 de novembro). Comemora-se esta data porque, segundo os historiadores, coincide com a morte de Zumbi, um negro que se rebelou contra a opressão dos brancos e fundou o Quilombo dos Palmares. Desde então, esse dia virou um símbolo da resistência negra diante dos históricos e vergonhosos ataques aos quais vem se submetendo esse nosso povo devido à nossa ignorância, intolerância e ao nosso descaso político de cada dia.

    Quem ficou curioso para saber mais sobre os negros, as desigualdades que eles sofrem e a contribuição deles para a cultura, história e política no Brasil, acesse o link abaixo:

    IBGE TEEN
    http://www.ibge.gov.br/ibgeteen/datas/consciencianegra/home.html

    ResponderExcluir

DEPOIMENTOS SOBRE O CEU

DEPOIMENTOS SOBRE O CEU
Pais, alunos, professores dão depoimentos sobre a escola, evidenciando a qualidade da proposta pedagógica e do corpo docente.

EVENTOS DESTAQUES

EVENTOS DESTAQUES

Postagens populares

Total de visualizações de página